Interview

438

Entrevista com Bernardo Campos

[Portuguese only]

Bernardo Campos é um dos DJs mais influentes da cena eletrônica carioca. Sempre presente nos line ups das melhores festas do Rio de Janeiro, o DJ está cada vez mais investindo em sua carreira de produtor musical. Recentemente lançou o seu segundo ep solo “You & Me Against the World“, disponível no Beatport. Fizemos uma entrevista para saber mais sobre essa nova fase. Confira:

Você é DJ há cerca de 10 anos e seus projetos de produção musical
sempre foram em dupla, sendo o Toucan (em parceria com Olliver Mach),
o mais conhecido. Como está sendo essa nova fase de produtor solo?

Sempre produzi ao lado de amigos e tenho o Toucan com meu camarada Olliver Mach há 5 anos. Comecei a produzir mais solo quando o Felipe Fella me mostrou o Ableton (antes eu produzia no Cubase) e um novo mundo se abriu na minha vida. Definitivamente o melhor DAW que eu já usei, tudo é mais simples no Ableton. Depois disso eu fiz dois cursos online (um brasileiro e um inglês) além de assistir uns 20 mil tutorais. À partir daí, ganhei mais confiança para poder lançar minhas próprias produções.

‘You & Me Against the World’ foi o seu segundo ep solo. Como tem sido
o feedback do público?

O EP tem 2 faixas bem melódicas, a faixa titulo “You & Me Against The World” e a “Special Place” . A “Green Eyes Girl” é mais pista, um house bem para frente. Eu testei elas em gigs como Privilege Juiz de Fora, Rio Me e 00, e a resposta foi ótima. Estou muito contente com a repercussão delas nas pistas!

Você poderia nos explicar um pouco como funciona seu processo
criativo? Da onde vem a inspiração para dar início a uma nova faixa?

Tem duas maneiras: ou é algo que eu vivi ou algo que crio, uma fantasia. Eu sempre tento fazer a música com um roteiro, algo que faça sentido para mim. Falo de amor, falo de situações reais ou posso viajar em algo maluco, obscuro que estava guardado em algum lugar da minha mente, sempre tento visualizar a música como uma cena. Ver filmes também ajuda bastante no meu processo criativo.

De onde surgiu a vontade de cantar em suas produções? Era algo que
você sempre pensou ou surgiu de repente?

A voz é um dos poucos elementos que é impossível samplear (a não ser que peguem da sua música). Qualquer synth, VST, sample alguém vai poder ter acesso também, a voz é unica, cada take de gravação sai diferente e eu acho isso muito interessante. Eu não sou cantor mas arranho umas coisinhas, aliando isso a varios plug ins que eu uso até que dá para o gasto (risos). Eu também já morei nos Estados Unidos (minha mãe mora lá há 17 anos), então tenho um inglês fluente, o que já ajuda nas horas de escrever as letras. No futuro pretendo trabalhar com cantores de verdade ou quem sabe descobrir outros cantores de chuveiro como eu.

Como você vê a cena eletrônica carioca atualmente? Você acha que houve alguma evolução nesses últimos anos?
Acho que o auge foi o ano passado e agora já caiu um pouco. Digo isso pois ano passado os clubs estavam bombando tanto quanto as festas. Tivemos um momento muIto bom na Cave com vários artistas legais se apresentando lá. Por outro lado as festas estão cada vez melhores como a nossa BASE e outras como a Rio Me, Love Sessions, Deep Please, Another Dimension entre outras. Tem uma cena underground bem legal acontecendo na cidade também, com festas como a Selvagem, 4 finest Ears, Bridge, Eden e Rebu. Mas como eu vim da cena dos clubs eu sinto falta dessa coisa semanal que só existe no mundo dos inferninhos.

Vamos falar um pouco do futuro. Quais são os próximos passos?

Eu pretendo cada vez mais me especializar em produção musical, talvez fazer um curso na gringa…
Eu e Olliver demos um gás no Toucan, produzimos cerca de 12 faixas e mandamos para umas labels bem bacanas, em breve vamos divulgar os releases, acho que estamos na época mais madura do projeto. Fora isso, estou trabalhando nas minhas festas BASE, Music Motion Rio e Toucan Party, e estamos com um escritório na casa Holzmeister que tem sido uma das experiências mais legais. A casa tem quatro escritórios de grandes produtores de eventos do Rio de Janeiro, então estou cercado dos melhores e não me faltam inspiração e aprendizado. Também tenho varias datas marcadas no Rio, São Paulo, Búzios e Juiz de Fora, resumindo: work, work, work!

Comments

comments